07/11/2012

Alfabetização e Autismo

Por Fausta Cristina de Pádua Reis, pedagoga, psicopedagoga, sócia fundadora do Instituto Autismo & Vida e mãe de uma menina com autismo:


É muito comum recebermos aqui no site do Instituto Autismo & Vida, pedidos de ajuda e orientação de pais e profissionais que lidam com questões inerentes à problemática do Autismo. Ficamos felizes pela confiança das pessoas que reconhecem o nosso esforço em compartilhar informação de qualidade acerca da síndrome e à medida do possível vamos respondendo a todos. 


Hoje, queremos compartilhar de uma dúvida que sempre aparece por aqui: a alfabetização da pessoa com Autismo. Eu gostaria de escrever longamente sobre esse tema: Alfabetização x Autismo, fica aqui uma promessa de trazer para o site uma pesquisa bibliográfica sobre o tema. Neste momento, porém, penso que posso contribuir um pouquinho sem muito aprofundamento, mas pelo menos não deixamos de responder e mostrar o quanto nós pais somos gratos a vocês professores que buscam respostas, que acolhem o desafio de receber e ensinar a uma criança com Autismo.

Bom, a alfabetização está longe de ser um processo simples. Para quem já alfabetiza há muito tempo, pode até parecer que seguindo determinados passos do método X ou Y teremos a garantia de sucesso, mas, na verdade, este complicado processo requer muito mais que estratégias especificas; todos sabemos que ele começa a acontecer lá dentro da cabecinha do aluno desde que ele é um bebê, é um conhecimento tão intrincado, envolve tantas coisas, mas a gente acaba simplificando e acreditando mesmo que é entre os seis e os oito anos que a criança aprende a ler.


A gente sabe que até chegar ao ponto de ler a criança já incorporou um mundo de significados, já tem nome pra tudo, seu repertório de palavras é incrível e ela tem respostas e conceitos que adquiriu e elaborou vivendo intensamente os primeiros anos de vida, olhando, mexendo, planejando seus movimentos e principalmente brincando.

Bem cedo a criança já simboliza. Sim, palavras dão nome a coisas que estão lá na nossa cabeça, lá no mundo imaginário. Quando o bebê é capaz de pensar a imagem da mãe que está distante já começou a simbolizar, aquela imagem mental representa um ser que está distante, que está fora do seu campo de visão. Ao chorar, exigindo a presença física da mãe, começa a desenvolver linguagem.

Palavras representam objetos, isso é símbolo e antes de simbolizar foi preciso observar, direcionar o interesse, vivenciar, guardar na memória, agrupar categorias, depois selecionar pra expressar de forma adequada o que se pensa... De forma que uma criança brasileira de seis anos sabe muito bem o que é uma bala e vai lidar bem com o que lhe diz respeito, mas não sabe nada sobre esqui. A possibilidade dela se dar bem aprendendo sobre a grafia e a decodificação do conjunto de símbolos que expressam BALA é muito maior do que aprender a palavra ESQUI.


Além de aprender sobre o mundo, há muitas outras competências que são desenvolvidas. Para ler a criança tem que ter ritmo, saber que uma palavra se compõe de letras transformadas em som e que um som vem antes do outro. Tem que saber sequenciar e dominar outros tantos conhecimentos, é o que chamamos de pré-requisitos da leitura. Para escrever é preciso desenvolvimento motor, tônus muscular adequado, coordenação e para ambos é necessário saber imitar e se apropriar de forma adequada daquilo que se imita, mas é preciso também ter consciência corporal, definir lateralidade, entre outros.

Não estou tentando "ensinar vigário a rezar a missa", mas antes de falar sobre as dificuldades e peculiaridades da aprendizagem da pessoa com Autismo precisamos deixar claro as lacunas ocorridas no desenvolvimento deste indivíduo.

É comum que as crianças com Autismo em graus diferentes, tenham comprometimentos em todas as competências que antecedem à aprendizagem da leitura e da escrita.

A pessoa com Autismo tem uma forma muito peculiar de ver o mundo, olham de forma diferente para objetos e pessoas, perdem com isso a absorção de mensagens que desenvolvem conceitos sociais e por isso tem dificuldade de interagir. Não sabem o que fazer, como ou porque devem se portar de tal maneira. Boas maneiras não significam nada, são códigos sem sentido que não são fortes o suficiente para segurar o sua ação impulsiva.


Não conseguem muito bem planejar, ou seja, existe um déficit na função cognitiva superior conhecida como Função Executiva e por isso eles têm dificuldades em planejar. Lembrem que para ler eu preciso ser capaz de seguir passos. Usar as letras certas que representam um som (ou mais de um) em uma ordem determinada com um ritmo correto.

Tem dificuldade de comunicação e junto a isso um déficit no desenvolvimento da linguagem - mesmo quando a fala está presente o uso adequado da linguagem para estabelecer um canal competente de comunicação é falho - e também tem um comportamento muitas vezes que privilegia a repetição e a rotina, os movimentos previsíveis (as mudanças não são o seu forte) e tudo isso afeta diretamente a aprendizagem acadêmica tão abstrata e muitas vezes incoerente.

Se a gente estuda sobre os déficits do desenvolvimento infantil no Autismo fica mais fácil entender o porquê das dificuldades.

O que uma criança típica aprende e desenvolve naturalmente, a criança com Autismo precisa ser orientada com persistência para fazer. Por isso é preciso pensar em desenvolver tudo o que está imaturo, portanto uma avaliação seria perfeita, mesmo se for feita por um professor baseado na sua experiência alfabetizadora.

Primeiramente, precisamos trabalhar muito mais seleção, classificação, consciência corporal, orientação espacial, coordenação viso-motora, ordenação temporal, sequência lógica. Tudo de forma adequada àquele sujeito. Geralmente as técnicas comportamentais dão muito resultado. Isso significa estruturar o que será ensinado com uma rotina visual, elogiando muito os acertos, ignorando os comportamentos inadequados. Aqui, vale lembrar que ignorar o comportamento não significa ignorar a criança e que é preciso separar o comportamento da criança: “você é legal, mas este comportamento não é legal”. 


É fundamental fazer valer todas as possibilidades de contato e isso acontece mais quando usamos o universo de interesses da criança. Quando se sentem respeitados, as crianças com Autismo sempre respondem positivamente.


Temple Grandin, autista, escritora, PhD, profissional mundialmente respeitada, nos conta que é uma pensadora visual e que pensa por meio de imagens. Segunda ela, a generalização de conceitos é um problema que enfrentou, pois algumas aprendizagens que são descoladas do seu dia-a-dia e não parecem fazer sentido e por isto não são incorporadas facilmente. Por isso, estabelecer relações com o universo de interesses é uma garantia de sucesso.

Quanto mais visual pudermos direcionar as estratégias de ensino mais certo será a compreensão. Parece difícil, mas é preciso, sobretudo, estabelecer metas, eleger estratégias e acreditar que eles podem, do jeito deles eles são capazes de aprender qualquer coisa.

Particularmente, tentei três métodos de alfabetização com minha filha e só agora ela começa a demonstrar o que para ela parece fazer mais sentido: o método fônico. Desta forma, não existe o método que seja mais eficaz ou mais indicado para quem tem Autismo.

Assim, como muitas crianças com desenvolvimento típico, a pessoa com Autismo vai se adequar melhor a um ou a outro de acordo com seu perfil. Leitura global, método silábico, abordagem Montessoriana, método fônico... Com a valiosa ajuda da informática ou por meio de blocos de madeira ou mesmo com um alfabeto móvel. Uma mistura de abordagens ou aquela que você mesmo acabou desenvolvendo. A verdade é que sua crença na capacidade de aprendizagem desta pessoa é que vai verdadeiramente valer como elemento de sucesso e te garanto: a sua satisfação fará valer a pena este desafio!




51 comentários:

  1. Parabéns, adorei o que li.
    Meu nome é Claudia, trabalho na Ed. Especial há 30 anos, tenho um aluno autista, muito lindo, trabalho a alfabetização com uma proposta denominada Desafios do Aprender e meu aluno vem alcançando avanços significativos, nessa proposta de alfabetização utilizo muito figuras, jogos, atividades diferenciadas.
    Meu email para contato: abcclaudiamara@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claudia, tenho dois alunos autista, , não sei o que fazer, gostaria mt de poder ajudar-los, sinto muito carrinho por eles, mais não é o suficiente, tenho um olhar profissional, mais não sei nem mesmo começar, vi que tem 30 anos de profissão e talvez pudesse me da umas dicas de atividades,
      aguardo sua atençao, abraços Profª Lucilei .( deoliveira.lucilei@gmail.com)

      Excluir
    2. Olá Lucilei, pode contar comigo que terei o maior prazer em contribuir com seu trabalho, acesse meu blog: desafios do aprender alfabetização. Abraço
      Claudia

      Excluir
    3. Olá Cláudia, estou aqui fazendo uma pesquisa sobre alfabetização para autista e vendo seu comentário logo pensei em entrar em contato. Estou na área de educação já há bastante tempo e pela primeira vez assumi uma turma inclusiva com 18 alunos. Um aluno autista que é um amor, porém estou bastante ansiosa pois não sei nem por onde começar. como disse, em meus 21 anos na profissão de educadora não tive a oportunidade de trabalhar com alunos especiais e não fiz nenhum curso na área. Gostaria muito de contar com sua ajuda e agradeço desde já. Mara Núbia

      Excluir
    4. Olá Cláudia, estou aqui fazendo uma pesquisa sobre alfabetização para autista e vendo seu comentário logo pensei em entrar em contato. Estou na área de educação já há bastante tempo e pela primeira vez assumi uma turma inclusiva com 18 alunos. Um aluno autista que é um amor, porém estou bastante ansiosa pois não sei nem por onde começar. como disse, em meus 21 anos na profissão de educadora não tive a oportunidade de trabalhar com alunos especiais e não fiz nenhum curso na área. Gostaria muito de contar com sua ajuda e agradeço desde já. Mara Núbia

      Excluir
    5. Olá Mara Núbia, me chamo Priscilla Martins,sou mãe de um menino de 6 anos (com autismo) TEA,e também estudante na área de educação. Li que está a 21 anos na profissão, e também que não fez nenhuma especialização na área de educação especial. Por favor não entenda como uma crítica o que vou lhe dizer,mas a sua ansiedade ou insegurança em lidar com o aluno com austismo, se dá exatamente pela falta de formação continuada, e você não é a única. Sugiro que busque capacitação para a educação especial,pois nossos pequenos dependem de profissionais que lhes ofereçam um olhar especial. Deixo aqui meu contato para trocas de experiências. pri.jm2016@gmail.com
      Abraços!

      Excluir
  2. Nossa amei as explicações,acho importante aprender,para auxiliar algum com esse déficit.obrigada

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito, estou iniciando as atividades com um aluno autista; tem 11 anos e não foi alfabetizado... suas dicas irão me ajudar muito! Obrigada!

    ResponderExcluir
  4. Este ano vou começar a trabalhar com educação especial, um dos meus alunos é autista, só que ele já lê e conhece numeros. Ele escreve super mal, percebo que ele têm um potencial incrível. Como devo começar. Obrigada
    Elisabete Amorim

    ResponderExcluir
  5. Boa noite Claudia, gostei muito da suas dicas.
    Sou iniciante na ed. especial, tenho dois alunos autista, são completamente diferentes, e nenhum são alfabetizados, ambos estão no 6 ano. Precisando de apoio...
    Estou como vc Maria Elisabete :)
    anaile.rocha@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. boa noite. Muito valioso seu texto. Obrigado!

    ResponderExcluir
  7. Amei foi muito gratificante e muito valioso para a minha aprendizagem.

    ResponderExcluir
  8. Amei foi muito gratificante e muito valioso para a minha aprendizagem.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Claudia, na escola onde trabalho temos dois alunos especial, um mudo e outro autista, gostaria de receber instrução de para seleção de atividades, como montar um plano de aula ou um planejamento. Parabenizo pelos seus anos de trabalho nessa área que não e muito fácil.
    Um abraço,
    Idinez
    email: idinez_santos@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  10. Bom dia!...adorei o texto...gostaria muito de sua ajuda...vou trabalhar com um 4ano..com dois alunos autistas...se puder me ajudar.. Agradeço.. tati_f_girl@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. Bom dia!...adorei o texto...gostaria muito de sua ajuda...vou trabalhar com um 4ano..com dois alunos autistas...se puder me ajudar.. Agradeço.. tati_f_girl@hotmail.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Claúdia, boa noite !!! ou bom dia....rsrsr
    sou mãe de um menino de 11 anos, no espectro autista, sou pedagoga, porém, nã consegui ainda alfabetizá-lo... seu grau parece moderado, embora saiba falar, ele não expõe seus sentimentos... percebo que não suporta ser abordado, quando o assunto é pedagógico.... conhece letras, e os sons, acho q falta pouco par ele ler, mas ainda não escreve... o q vc sugere ???? obrigada pela atenção.... meu email é lenasmuller@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  13. Olá Claúdia,tudo bem? Meu nome é Damiana sou mãe de uma menina de 8 anos,autista,estou com dificuldade em alfabetiza-lá,pois nem eu e as professoras de sua escola estamos preparadas.Ficarei agradecida em receber suas orientaçães. Moro em Campina Grande- PB
    Email de contado: cf-araújo1969@uol.com.br

    ResponderExcluir
  14. Boa noite! Claudia gostaria de comprar seu material. Já te enviei um e-mail e aguardo resposta. Tenho um aluno autista, com idade de 8 anos, em processo de alfabetização e necessito urgente deste material.
    Obrigada! Deus a abençoe.

    ResponderExcluir
  15. Boa noite!Adorei o texto estou trabalhando auxiliando um Autista ele tem 6 anos conhece todas as letras e números,mas não escreve nada gostaria de receber orientações de como ajuda-lo a desenvolver a escrita e quero saber como comprar o material acima citado.
    Dês de já eu agradeço!

    ResponderExcluir
  16. Meu email:martamatossilva@hotmail.com

    ResponderExcluir
  17. Olá Claudia, meu nome e Ana cristina tenho um filho com Síndrome Espectro Autista,Ele tem um potencial incrível esta com 7 anos sabe letras,números,cores e muitas outras coisas... Ele e inquieto só fica um pouco mais quieto, barganhando... Esperto demais. Esta em uma escola pública e tanto Eu como os professores tem dificuldade de sem preparo nenhum para alfabetiza-lo.Ficaria Imensamente Agradecida com a sua experiência e Ajuda profissional. Quero muito conhecer o Mundo de Lorenzo... Um Forte Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Olá Claudia, meu nome e Ana cristina tenho um filho com Síndrome Espectro Autista,Ele tem um potencial incrível esta com 7 anos sabe letras,números,cores e muitas outras coisas... Ele e inquieto só fica um pouco mais quieto, barganhando... Esperto demais. Esta em uma escola pública e tanto Eu como os professores tem dificuldade de sem preparo nenhum para alfabetiza-lo.Ficaria Imensamente Agradecida com a sua experiência e Ajuda profissional. Quero muito conhecer o Mundo de Lorenzo... Um Forte Abraço.

    ResponderExcluir
  19. ola! meu nome é Adriana amei oque li, pois tenho uma menino autista clássico de 9 anos, me ajudou muito como mãe a busca mais para poder ajudar ele a ter maior qualidade de vida.um abraço

    ResponderExcluir
  20. Amei o que li! Parabéns e muito obrigada. Sou Priscila, professora do 1 ano e me deparei com o desafio de alfabetizar uma criança autista. É um garoto agradável, tem 7 anos e está em nível de Educação Infantil, está reconhecendo as vogais agora e os numerais até 10. Está sendo desafiador e tenho pesquisado bastante, pois preciso dar atenção a ele e a turma. Amei seu texto. Muito útil, mais uma vez obrigada! Sucesso!

    ResponderExcluir
  21. Boa tarde! Adorei o texto! Fausta, teria mais informações sobre o "processo" de aprendizado do Autista ou da Pessoa com Deficiência Intelectual?!
    Sou mãe, meu filho tem epilepsia refratária está c 8anos e é D. I. (mts vezes suspeito d autismo) mas os profissionais q o acompanham falam q não.
    Parabéns pelo site e o texto! Vanessa

    ResponderExcluir
  22. Boa noite Claudia adorei o texto! Sou professora de um menino autista de 10 anos que não quer nem ouvir falar em escola ele é muito inteligente sabe ler de tudo mais se interessa somente pela turma da mônica não escreve nada nem desenha ou pinta. Esta sendo muito difícil se puder me dar mais umas dicas agradeço.

    ResponderExcluir
  23. Boa noite Claudia adorei o texto! Sou professora de um menino autista de 10 anos que não quer nem ouvir falar em escola ele é muito inteligente sabe ler de tudo mais se interessa somente pela turma da mônica não escreve nada nem desenha ou pinta. Esta sendo muito difícil se puder me dar mais umas dicas agradeço.

    ResponderExcluir
  24. Olá, pessoal.
    Também gostei muito do texto. Bem claro, didático, pontual.
    Sou psicopedagoga, tenho um aprendente autista de 8 anos ainda não alfabetizado. Leituras como essa é sempre muito gratificante e nos abrem portas.
    BJ a TDS

    ResponderExcluir
  25. Uau.. Parabéns!!! Nunca havia lido algo com tanto significado a respeito de alfabetização e principalmente alfabetização de autista. Fico feliz por compartilhar conosco, sou professora alfabetizadora, amo as duas situações, alfabetização e autismo. até citei escritas sua em meu artigo de pós graduação. Parabéns mais uma vez.

    ResponderExcluir
  26. ola claudia , sou estagiaria e na escola tem um aluno autista gostaria muito de ajuda-lo,pos a professora dele não tem um profissional de apoio.poderia me enviar algumas atividades para eu fazer com ele? por favor.
    maridutra9@gmail.com

    ResponderExcluir
  27. Claudia, tenho três alunos autista ( 19 anos, 07 anos e 06 anos ), não sei o que fazer, gostaria de ajudar-los.
    Sou professora da sala de recurso e não tenho experiência com autismo.
    Quero primeiramente parabenizar pela sua dedicação e experiência que Deus abençoe hoje e sempre
    Aguardo sua atenção, abraços Profª. Ana Perez .( rhanaperez@hotmail.com ou anaperezeducadora1@gmail.com)

    ResponderExcluir
  28. Boa noite sou professora de apoio de um autista queria umas dicas para alfabetizar ele.

    ResponderExcluir
  29. Oi boa noite, gostaria de saber como trabalhar com autismo de último grau.
    Ele é meu sobrinho. E como faço para começar a alfabetizar ele, que métodos devo usar se início?

    ResponderExcluir
  30. Quero me inscrever no curso online de Alfabetização para Altistas....como eu faço????

    ResponderExcluir
  31. Sou professora de alfabetização e ano que vem terei um aluno autista.Por favor,me envie atividades para começar o trabalho com ele.Desde já agradeço-lhe.Meu e-mail é :denise-g.s.viana@hotmail.com

    ResponderExcluir
  32. Cláudia tenho um aluno Autista de 11 anos, inserido no ensino regular a professora da sala tentava adaptar algumas atividades, mas sem roteiro traçado.
    Quero muito poder ajuda-lo este ano.
    A mãe gostaria muito que conseguíssemos alfabetiza lo. Se puder me enviar algumas atividades para dar início... pois não sei qual o melhor método a ser usado.
    Meu e-mail- ticianateo@gmail.com
    Agradeço se puder nos ajudar!

    ResponderExcluir
  33. Olá, gostei muito da informação.
    Eu me chamo Socorro, sou professora de educação especial, já trabalhei com alunos surdos e dawns. Este ano me transferiram pra trabalhar com alunos autistas. Confesso que não sei como iniciar. Ficarei muito grata se alguém puder me orientar, pois não quero cometer erros.
    Obrigada

    ResponderExcluir
  34. Ola meu nome é Luciene Maciel.
    tenho um alumo autista alfabetizado no 6 ano.
    Para mim um desafio ..mas estou disposta a surpreender.
    Preciso de ajuda com livros de leitura na disciplina de literatura.
    Celular 998366398.

    ResponderExcluir
  35. Gostaria muito de adquirir a apostila de apoio.

    ResponderExcluir
  36. Bom dia marineide tenho um filho autista de 6 anos como devo fazer pra alfabetização dele pq vejo que ainda não está alfabetizado

    ResponderExcluir
  37. Meu email neidelii27@gmail.com bjs

    ResponderExcluir
  38. Como faço pra obter a apostila de apoio?
    Meu email rafaelaferasso@gmail.com
    Beijos

    ResponderExcluir
  39. Estou desesperada! Tenho notado um comportamento no meu sobrinho desde quando ele fez 1 ano … Não socializa, só quer a mãe dele, está com 2 anos e meio e não fala praticamente nada (a pediatra diz que ele tem preguiça =/), não responde quando o chamamos, e não mantém contato visual. Porém, ele fala alguns números quando a mãe dele o questiona e algumas letras do alfabeto, isso seria possível no caso de autismo?
    Desde já agradeço

    ResponderExcluir
  40. Olá!!
    Meu nome é Belarmínia Ferreira, moro no estado de Minas Gerais, tenho 33 anos, sou professora na rede pública estadual no Atendimento Educacional Especializado-AEE Sala de Recursos no atendimento diferenciado e com estímulos nas habilidades cognitivas, motoras, comunicacionais e afetivas, tenho muitos alunos especiais, porém tem um com TEA que me intriga um pouco, é um menino de 16 anos muito comunicativo e afetivo, porém não consegue ter uma aprendizagem pedagógica significativa, são feitos esforços por parte dos professores regulares, professor de apoio, supervisão e sala de recursos, além de profissionais da saúde e pais no sentido de alfabetizar esse aluno, que não identifica sequer as letras do alfabeto, somente as do nome próprio, o primeiro nome, ele interpreta vídeos curtos, leitura de livros como gibis e fábulas, a fala e dicção das palavras são perfeitas, além de ter um vocabulário extenso e gostar muito de falar...pois bem gostaria que vcs me orientassem em como alfabetizar esse aluno que pode ter uma vida social e autônoma se alfabetizado, gostaria de sugestões e respostas sobre como um menino autista gosta tanto de contato com outras pessoas na conversa e inclusive no toque, é possível isso? Tenho lido muito sobre o tema e as características do autista, muitas delas não coincidem com este aluno, o que devo fazer?? Gostei muito desse blog, objetivo e claro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nina , me chamo Priscilla tenho 35 anos ,sou mãe de um menino de 6 anos com Autismo, ele também fala muito bem e não tem problemas em ser tocado por outras pessoas, desde que esse toque seja firme. O meu filho já está aprendendo a ler, porém não gosta muito de escrever, eu e a professora temos contribuído para a aprendizagem dele, com foco naquilo que ele tem interesse. Não existe respostas prontas, quando o assunto é autismo, porém podemos partir por ai, busque propor atividades que despertem nele o interesse pela leitura e escrita, tenho certeza que você terá êxito, pois percebi que conhece bem o aluno e isso é um excelente começo. Um grande beijo!

      Excluir
  41. Olá Cláudia!!
    Meu nome é Claudio, e sou cuidador de um menino autista de 17 anos, onde eu o acompanho na escola da rede publica, ele é muito articulado, inteligente, faz perguntas inteligentes, mas infelizmente ele não é alfabetizado e por mais que eu fique do lado dele na sala de aula, ele não se interessa pela escrita, fica sempre querendo chamar a atenção para si, acredito que para alfabetiza-lo, teríamos que fazer em uma sala separada dos outros alunos, para que ele pudesse se concentrar, claro, com uma hora reduzida para que ele não perca o interesse. por favor, me diga se estou errado e como eu poderia estar fazendo para poder fazer com que ele possa aprender a lêr.
    Meu email é: tsilvaclaudio@gmail.com

    ResponderExcluir
  42. Oi sou a vovó do Henzo um menino de 7 anos lindo e muito inteligente (autista) o sonho dele é aprender a ler,está em uma escola normal ,mais ele vem reclamando q os amiguinhos fica bravo com ele porque ele pega os gibis e só olha as figuras e não lê , não sei se fiz o certo falei para ele falar para os amiguinhos que ele é uma criança especial e que não consegue aprender a ler como eles vcs podem me ajudar (será q errei ou acertei ao mandar ele falar assim) como faço para entrar em contato com vcs não consegui inserir meu imail que é sueli1212@hotmail.com obrigada pela atenção por enquanto

    ResponderExcluir
  43. Amei o conteúdo do material, porém peço que não se esqueça da promessa feita em trazer a pesquisa bibliográfica sobre o tema. Será de grande valia para todos. Deixo aqui meu email: pri.jm2016@gmail.com . Grata!!!

    ResponderExcluir